segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O Início...

Foi no final de Abril de 2015, acabada de fazer 37 anos que o meu Mundo (como o conhecia) desabou!
Estava com uma vida confortável!
Casada com um Marido fantástico, daqueles homens nos quais não se tropeça por aí. Um homem sério, presente, amável, amoroso e educado. Bom Pai; Sim! Temos 2 filhos, na época um menino com 5 e uma menina com 3 anos.
Trabalhava. Ele também. As crianças iam à escola...
Até àquele Domingo em que tudo parou, e a minha vida ficou em espera... e em espera... e em espera.

No banho, ao lavar a axila senti um caroço, no meu seio esquerdo.
Mexi e remexi.
Soube logo... que... era feio e estava "feita". Senti-o!
Gritei, mas o meu grito estava mudo.
O meu Marido ouviu-me e certificou que o nódulo estava lá efetivamente!
Chorei e gritei. Foi muito complicado para mim, tal como todos os banhos que tomei durante o seguinte ano.
Não ia esconder o obvio, ou esperar que passasse.
No seguinte dia agendei consulta de ginecologia com médica desconhecida (a minha médica tinha ma imensa espera e não quis fazer urgência, urgente como eu necessitava). Pelas 17.30hrs, desnudava os meus seios pela primeira de centenas de vezes!
A médica foi amorosa e tentou tranquilizar-me!
Alegou que estaria na ovulação e não seria nada, até que "lhe" tocou... e disse seca -"Dói?"
Respondi que não doía e cada vez a pressão aumentava...
Até que vencida me disse (jovem, como eu)
 - Carla, Olhe... isto não me parece mesmo nada bem! e continuou: "Vamos agendar imediatamente ecografia e mamografia de urgência".
Amorosa!
Era uma 2ª feira!
Na 5ª fiz os exames!
A "coisa" com outros olhos continuava a parecer péssima! Assim, agendaram-me biópsia mamária para uma semana depois!
Jamais esquecerei a cara da médica ao ver no ecografo o "bicho". Era uma flor esmagada... um preságio para o que iria ser dos meus sonhos.
Desta vez chorei e muito! Tive um grande ataque de choro!
Os meus ataques de choro nunca são baseados em medos ou fobias... são sempre baseados nos meus filhos!
O que será deles se eu não poder estar cá?!
Isto é a única coisa que me magoa, que me trás ansiedade, e lágrimas ao rosto.
De resto, ninguém jamais tem a vida nas mãos, apenas a ilusão de que controla algo!
Depois de um caminho tenebroso... fui para a escolinha dos meus filhos com os olhos inchados de chorar o meu coração. Era a Festa do Dia da Mãe, Tinha MESMO que estar presente!
Estive, (fui questionada e menti) ri, brinquei, abracei-os e pensei muitas vezes que ia ser a última Festa da Escolinha a que Eu iria...


Não Foi!